sexta-feira, 18 de março de 2016

Como distinguir as cores do transporte de BH?

Olá amigos, boa noite!!! Na postagem de hoje vamos falar sobre as cores dos ônibus de BH e RMBH, o que cada uma delas significa. Boa leitura a todos!!!
A primeira padronização por cores de Belo Horizonte ocorreu no ano de 1982, juntamente com a organização do sistema, gerido pela Metrobel. Era o sistema Probus. Antes as empresas tinham pintura própria, porém a partir de então implantou-se um padrão válido para a cidade de Belo Horizonte e Região Metropolitana. Haviam apenas 2 cores, a cor azul representava linhas intituladas diametrais, que ligavam bairros e pólos regionais e industriais a outros bairros e pólos. A cor vermelha representava linhas expressas e semi-expressas, que ligavam bairros de BH e região ao Centro de BH. Depois veio a pintura do Uninorte, serviço que ligava Venda Nova ao Centro de BH. A pintura era branca com detalhes verdes.
Veículo de linha semi-expressa do padrão Probus, circulando pelo DER. Foto: Vitor Rodrigo Dias.
No ano de 1992 a Metrobel acabou encerrando as atividades, ficando as linhas que circulavam no município de Belo Horizonte com a Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS e as linhas que circulavam na Região Metropolitana com o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais - DER/MG. Os conceitos e cores permanecem os mesmos, porém no DER os prefixos, que antes eram de 4 números, passaram a ser uma letra e 3 números. No ano de 1997, com a inauguração da Estação Diamante, foram implantadas novas cores e em Belo Horizonte, acabou mudando alguns conceitos. A cor amarela representava as linhas que ligavam os bairros as estações, denominadas Alimentadoras. A cor verde representava linhas que ligavam as estações ao Centro de Belo Horizonte, denominadas Troncais.
Carro de uma linha troncal do padrão BHBUS. Foto: Vitor Rodrigo Dias
A cor laranja, até aquele momento servia para representar linhas que ligavam bairros e estações a bairros fora do Centro de BH, denominadas Perimetrais. Assim, a cor azul também mudaria em BH, passando a representar linhas que ligavam bairros, mas passando pelo Centro. No DER, somente a cor Amarela foi implantada, com o mesmo conceito de Belo Horizonte. Depois surgiram as linhas de cor verde, que eram as linhas executivas. Em Belo Horizonte, o conceito de linha troncal era revisto: passou a se considerar linha troncal qualquer linha que saísse de alguma estação e tivesse como destino qualquer local que estivesse dentro do perímetro da Avenida do Contorno ou outra estação.
Carro executivo, na primeira pintura do DER. Foto: Vitor Rodrigo Dias.
Na mesma época, os prefixos do DER passaram a ter uma composição de 5 dígitos, onde os 2 primeiros representavam a empresa e os outros 3 o número de ordem do carro. No ano de 2008 ocorreu a licitação de Belo Horizonte, que extinguiu a cor vermelha. As linhas semi-expressas passariam a dividir a cor verde com as linhas troncais. Também houve uma recomposição da prefixação: os 2 primeiros dígitos representavam o consórcio (sendo 10xxx para o Consórcio Pampulha, 20xxx para o BH Leste, 30xxx para o Dez e 40xxx para o Dom Pedro II) em que a empresa estava inserida e os outros 3 o número de ordem do carro.
Veículo de linha aliemntadora, do novo padrão de BH. 
No ano de 2009, ocorre uma recomposição da Região Metropolitana de Belo Horizonte: as linhas são divididas por consórcio, mudam novamente de órgão (do DER/MG para a Secretária de Estado de Transportes e Obras Públicas - SETOP) e são todas renumeradas segundo seus consórcios, sendo as linhas iniciadas pelo número 1xxx pertencem ao Consórcio Via Amazonas, 2xxx para o Consórcio Uniminas, 3xxx para o Consórcio Metropolitano, 4xxx para o Consórcio Estrada Real, 5xxx para o Consórcio Linha Verde, 6xxx para o Consórcio Esmeraldas Neves e 7xxx para o Consórcio Cidade Industrial.
Veículo de linha semi-expressa, do novo padrão SETOP. 
No ano seguinte, ocorre outra reestruturação: os ônibus ganham nova pintura e os conceitos das cores são modificados: as linhas de cor vermelha e branco são linhas que ligam bairros ao Centro de BH e a região hospitalar, as linhas de cor azul representam linhas que ligam bairros e regiões a outros bairros e regiões, as linhas de cor laranja e amarelo ligam bairros e regiões a estações de Metrô e Ônibus e as linhas de cor verde continuam sendo linhas executivas.
Veículo executivo de BH.
No ano de 2011, são implantadas as linhas executivas de BH, e são operadas por ônibus na cor cinza. Com a implantação do MOVE, foram implantadas mais 2 pinturas, uma do MOVE BH, de cor verde-limão e outra do MOVE Metropolitano, de cor verde escuro e cinza.
Agradeço a todos por terem lido, até a próxima!

sexta-feira, 11 de março de 2016

Um passeio de BYD por BH

Olá amigos, boa noite!!! Na postagem de hoje vamos falar do BYD K9 Auto, que está sendo testado em Belo Horizonte. Boa leitura a todos! 
2016 começou com uma grande novidade nas ruas de BH. Com grandes atrasos no cronograma da BYD, chegou para testes em BH o K9 Auto, e ele está sendo testado pela Viação Torres. E como você já deve saber, eu busco as novidades relevantes, não somente pra trazer material pra cá, mas para agregar conhecimento e experiências dentro do hobby, e em alguns casos vivenciar, ainda que por algumas horas, uma realidade diferente. E foi nesse intuito que no dia 29 de Janeiro fui atrás do BYD. Com os horários na mão, cedidos por um amigo, ficou tudo mais fácil. Naqueles dias ele estava escalado na linha 9105 (Nova Vista/Sion), o que tornava tudo ainda mais fácil. Mas, tinha um porém: ele não saiu as ruas nos dois dias que antecederam minha ida ao encontro dele. Isso aumentou minha expectativa para mais de 8000. E pra dificultar, as viagens dele não constavam no SIU Mobile BH, app que já expliquei aqui pra que serve (Se quiser saber, digita na caixa de pesquisa do blog, a direita, e você acha).
Interior do BYD.
Chamei um amigo pra ir junto e ele topou ir. Porém ele também teve um imprevisto e provavelmente nem chegaria pra seguir comigo. Saí, de casa, dei uma passada no shopping, acertei os últimos detalhes e parti com destino ao Centro. Mas especificamente naquela data, resolvi fazer uma parada no Parque Municipal, pra arejar um pouco a cabeça antes. No caminho de lá, fui no 30523, um Caio Apache Vip III OF1721 BT5 da Transoeste pela 33, a escolha foi essa por que eram os últimos dias da gestão passada, então pra despedir fui nele. O motorista andou bem, o carro tava bem bacana, porém o ar de melancolia da despedida prevaleceu. Mas essa não seria a vibe do dia. Passei no Parque Municipal, e no horário marcado eu esperei meu amigo, até que o ônibus dele apareceu. Nos encontramos e fomos para o ponto. A cada Mascarello que aparecia, a expectativa aumentava, pois a chance de vir um carro normal era grande. Olhei o SIU Mobile e não constava nenhuma viagem em aberto, já era um bom sinal. Até que apontou da Contorno, vindo do Viaduto da Floresta, ele! O BYD K9 Auto, carro 80104, na linha 9105. Ele se aproximou de forma tão silenciosa e suave que nem foi perceptível.
Momento da chegada do BYD ao ponto.
 Embarcamos, passamos a roleta, fomos pro fundo e assentamos. Mesmo com os assentos de plástico, sem estofamento algum, ele era mais confortável e ergonômico que muito carro com banco estofado por aí. Fora o silêncio e a ausência de tremedeira, quando ele parava parecia que ele se desligava. Ele se desenvolveu durante o trajeto de forma firme e segura, e os passageiros pareciam gostar muito dele. Chegamos ao Sion e como ele já estava pra virar a viagem de 16:30, tirei algumas fotos e fui embarcar nele.
Traseira do BYD. Foto no PC do Sion, enquanto ele aguardava pra fazer a viagem de 16:30.
Os passageiros que pegaram no Sion estavam falando coisas meio sem noção, como a quantidade de assentos, uma delas chegou a falar que no horário de pico ônibus maiores deveriam ser escalados na linha, outros, pelo simples fato dele ter as escotilhas, acharem que não ligaram o ar pra "economizar alguma coisa" e outros sugerindo a retirada das baterias pra colocar mais bancos, mas tinham passageiros elogiando e exaltando o fato dele ser importado.
Outra foto do BYD, no PC do Sion.
O BYD é um excelente veículo, dá de 1000x a 0 em vários ônibus nacionais, pelo seu conforto e tecnologia empregada, sua marcha lenta é quase imperceptível. Após o passeio, descemos no Centro e fomos caminhando até a Amazonas 709, o famoso "1° ponto do 30", onde pegariamos o 30 Direto até a Estação Diamante. Pegamos o 30217 até a Estação Diamante, e o carro veio bem. Depois nos separamos e eu terminei meu trajeto até em casa, pondo fim a esse dia fantástico.
Agradeço a todos por terem lido e até a próxima!!!

sexta-feira, 4 de março de 2016

Minha primeira viagem rodoviária residindo em Minas - por Thiago Salles

Olá amigos, boa noite!!! Por causa de problemas externos, pelo menos até Julho vamos continuar no nosso horário habitual. Gostaria de mais uma vez agradecer a todos pelas visitas, pois alcançamos a marca de 6 mil views no geral, no texto mais lido do blog alcançamos mais de mil views e o mês passado superou janeiro em visualizações. E o texto de hoje será o primeiro do ano feito por um convidado, e o convidado da vez é o Thiago Salles, que tive a honra de conhecer durante o encontro da APBUS aqui em Belo Horizonte, no texto dele ele conta como foi sua primeira viagem após sua mudança de cidade. Boa leitura a todos!!!
E com muita honra que escrevo nesse blog do meu grande amigo Eric, amigo de muitos anos já virtual e que nos conhecemos pessoalmente durante a 87 APBUS, realizada em dezembro ultimo. Nesse texto vou falar da minha primeira viagem de ônibus que fiz a SP depois que me mudei para Lambari, cidade localizada no sul de Minas, há um mês.
Fui a SP para reencontrar alguns amigos do hobby e com eles participar de um passeio Noturno. A empresa que faz a Linha SP-Lambari é a Santa Cruz e a passagem custa 52.00 reais.
Comprei a passagem antecipadamente 3 dias antes do embarque na Quarta feira 17/02 e o embarque seria no sábado 20/02 as 08h30. O carro que embarquei foi o 216100, que é um Marcopolo Paradiso G7 1050 de chassis Scania K340 ano 2010/2010. Saímos as 08h30 em ponto da Rodoviária de Lambari. No carro foram eu e mais 6 ou 7 passageiros, saiu vaziozinho de lá. Ele entrou na cidade de Heliodora, cidadezinha próxima a Lambari, deu uma circulada só na cidade, não houve novos embarques e então depois voltou pra estrada.
Carro da viagem entre Lambari e São Paulo. Foto: Thiago Salles.
Próxima Parada foi em Pouso Alegre, lá ele seria o SP das 10h15, portanto importante lembrar que o Santa Cruz pra SP das 10h15 em Pouso Alegre é o carro das 08h30 que saí daqui de Lambari. Creio que na Sexta também seja esse mesmo esquema. Em Pouso Alegre o carro encheu bem e ficou com lotação parcial de poltronas. Depois que saímos de Pouso Alegre apaguei, mesmo com a poltrona não dando pra inclinar muito (Vale lembrar que o Santa Cruz, pelo menos na SP-Lambari, é básico dos básicos, só WC, nada mais) e só fui acordar quando estávamos mais ou menos na altura de Mairiporã. Chegamos em SP na Rodoviária do Tietê as 13h00 em ponto. No geral, gostei do G7 da Santa Cruz, não batia nada, estava em ótima conservação e a única coisa que não gostei foi ele ser basicão, sem wi-fi, TV ou poltronas mais reclináveis, de resto excelente carro.
Assim que cheguei já tratei de ir comprar a passagem de volta pra casa já no domingo fui no guichê da Santa Cruz e tive uma bela surpresa: não havia partida pra Lambari aos domingos, o que é falha da empresa, já que a SP-Lambari é uma das principais linhas dela, e que só em época de Carnaval eles colocam alguma partida no domingo. Como ainda não conhecia nada assim de rota pra cá alternativa,optei em ir pra Pouso Alegre e de lá pegar outro pra Lambari. Por indicação de um amigo Matheus Vasconcelos, optei pela Bragança pois segundo ele os carros eram mais confortáveis com encosto nas pernas e tudo mais,o único ruim era que ele parava muito. Fui no guichê da Bragança, peguei uma passagem pra Pouso Alegre no horário das 08h00 da manhã de domingo, 21/02, no valor de 42,00 reais, a linha seria a SP-Varginha(MG) via Pouso Alegre. Após isso, fui carregar meu Bilhete Único e resolvi ir na saída do TRT pra ver se tinha alguém clicando por lá,não achando ninguém fui pro Mangueirão pra ver se achavam algum Gontijo lá pra clicar. Achei uns 3 ou 4 Gontijo lá mais a maior surpresa foi a chegada de um São Gontijo (apelido dado aos carros da Gontijo com a pintura da São Geraldo) que estava na SP-Porto Seguro(BA), o fato é que não tinha ainda nenhuma foto de um São Gontijo e pra mim foi uma surpresa.
"São Gontijo" que estava na São Paulo/Porto Seguro. Foto: Thiago Salles.
Depois de quase 1 mês sem andar em coletivo, resolvo pegar o 2 1834, um Millennium BRT 0500U Bluetec 5 de Transmissão Voith na linha 172N/10 (Center norte-Metrô Belém) e o mesmo bateu em um Corolla logo após de sair do TP no Center Norte, mas foi imprudência do Corolla, paramos um pouco e depois que se resolveram lá com o motorista do Corolla, seguimos viagem.
Bom depois de participar do passeio noturno, que consiste em andar nas linhas noturnas de SP, acompanho um amigo até o Tatuapé e assim que ele pega o ônibus de volta pra casa, corro pro Tietê cheguei cerca de 40 min.antes do embarque que seria as 08h. Finalmente encosta o ônibus na plataforma, o carro foi o 11004 Paradiso Marcopolo G7 1200 Scania K340 ano 2011/2011.
Em relação ao G7 da Santa Cruz, bem mais confortável, carro semi leito, com encosto nas pernas, partimos as 08h em ponto e minutos depois de deixarmos o Tietê apaguei, já que passei a noite toda no passeio noturno, foi um sono gostoso tanto que nem dormi quando cheguei em casa. Dormi de SP a Cambuí e chegamos em Pouso Alegre as 11h em ponto. Gostei demais do G7 da Bragança, carrinho muito top e confortável.
Carro da viagem São Paulo/Pouso Alegre. Foto: Thiago Salles
Assim que cheguei já fui comprar a passagem pra Lambari, no valor de 19 reais e uns quebradins, a empresa é a Gardenia. O horário seria as 13h30, e então as duas horas e meia fui no centro comer alguma coisa, dar uma voltinha ae voltei pra Rodoviaria. Sobre o carro, decepção total....o carro seria um cabrito, carro de prefixo 3505 da Gardenia, um Campione 3.25 2011 ano 2011/2011, pensa numa viagem ruim... saimos as 13h30 e foram 2h de sufoco (Ele para em Congonhal e Heliodora), mesmo o carro com A/C, viajar em rodoviário cabrito não é das melhores experiências, não via a hora de chegar em Lambari, acho que a Gardenia poderia escalar carros melhores nessa linha, porque 1722M (na minha opinião, claro) já é um chassis ruim em coletivos, piorou em rodoviários... chegamos em Lambari as 15h30. Bom esse foi um texto relatando minha primeira viagem rodoviária depois que mudei pra Lambari e agradecer ao Eric por permitir contribuir ao blog ao leitor do blog. Um abraço a todos.
Agradeço a todos por terem lido, e até a próxima!!!