Pular para o conteúdo principal

Primeiro dia de circulação do MOVE, BRT de BH

Boa noite, visitantes e leitores do blog Onibus Mineiro. No primeiro texto, falaremos sobre a primeira viagem que eu e um amigo fizemos, a bordo do BRT - MOVE.
Acordei cedo naquela manhã de sábado, 8 de março. Era o primeiro dia de operação do MOVE, o novo sistema BRT de Belo Horizonte. Após adiamento da entrega das obras, denúncias de superfaturamento, embargos do TCU, chassis comprados e devolvidos ao fabricante, finalmente as obras do Corredor Cristiano Machado foram parcialmente entregues, e eu decidi ir. Saí de casa as 8h40, com o tempo chuvoso, e fui. A caminho do Centro, fui ouvindo música no carro 30099, Vip II 1722 na linha 30 Direta (Estação Diamante x Centro).
Carro da linha 30 - Direta que me levou até o Centro de BH. (Foto: Eric Breno)
No Centro, encontrei com um colega, o objetivo era ir até a elegante Estação de Transferência São Paulo, unica ainda ativa, então, embarcariamos ali. Vimos um Doppio BRT Mercedes-Benz O500MA na linha 83D (Estação São Gabriel x Centro - Direta), imediatamente começamos a correr. Após uma rápida corrida, chegamos a ET, onde ele ainda estava parado. Era o carro 20479 da SM Transportes; na entrada da ET pagamos a passagem, entramos no ônibus e assentamos. Logo depois entrou uma equipe de TV no carro, que acompanhou a viagem.
Primeiro carro do MOVE que eu e meu amigo pegamos. (Foto: Gabriel Oliveira)
O carro então saiu, e ali se iniciava minha experiência no MOVE. O ônibus saiu da ET, sentido São Gabriel. Ele teve dificuldades para passar em um retorno da Avenida Santos Dumont (que agora é exclusiva para o MOVE), mas conseguiu passar. Felizmente para os motoristas, o retorno não faz mais parte do itinerário da 83D e também da 83P, que faz o mesmo serviço da 83D, só que parando nas ETs ao longo da Cristiano Machado. O ônibus articulado atraía olhares dos pedestres, dos motoristas, cobradores e passageiros dos ônibus convencionais, ainda sem acreditar que o MOVE, tão falado pelo poder público, finalmente houvera saído. O ônibus sem demora ganhou o Túnel da Lagoinha, onde iniciava o corredor, e foi sem dificuldade alguma, e bem rápido também. As ETs estavam vazias, o que era normal, por se tratar de primeiro dia. Chegamos à reconstruida São Gabriel, e lá desembarcamos. Lá na São Gabriel, cumprimentei um amigo, que estava trabalhando lá como despachante. Como mandava o roteiro previamente programado, eu queria pegar o 82 (Estação São Gabriel x Savassi via Hospitais). Veio um Mega BRT O500MA, 20480 da Getúlio Vargas, carro que como descobrimos depois, fez a primeira viagem do MOVE, e fomos rumo à área hospitalar.
Segundo carro que pegamos naquele dia. Ele fez a primeira viagem da história do MOVE (Foto: Gabriel Oliveira)
Inicialmente fiquei nos últimos bancos, porém não suportei por que tava muito quente. E fui pra outro lugar do ônibus. Apesar disso, ele se desempenhou bem no corredor e fora dele também.  Acabei descobrindo outro amigo que também estava visitando o MOVE. Conversamos durante o caminho e desci na área hospitalar. A viagem de MOVE havia acabado, porém tinha outra novidade que eu não havia andado: Vip III 1721 BT5 da Independência, 30518.
Ultimo ônibus do nosso passeio. (Foto: Welisson Oliveira/Ônibus Brasil)
O ônibus tava bem cheio, e apesar dos bancos ruins, tava legal o carro. Eu gostei muito do dia, dos carros, que estavam legais, e tiveram ótimo desempenho.
Muito obrigado pela visita, e tenha uma boa noite!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Itapemirim e Pluma, o que elas tem em comum?

Olá amigos, boa noite! Após 2 semanas de folga, estou de volta. Hoje era pra ser um editor convidado, porém por razões pessoais ele não pôde produzir o texto, mas como o blog deve seguir, farei um paralelo sobre a história e o momento atual de 2 empresas renomadas no mercado: Pluma Conforto e Turismo e Viação Itapemirim S/A. Boa leitura a todos!
Itapemirim e Pluma, o que elas tem em comum? Sobre elas muitos só sabem que são ícones do transporte rodoviário sul-americano, que estiveram a frente do seu tempo e estão em um grupo de empresas rodoviárias que mais sentiram o momento de crise que estamos vivendo, algumas fecharam, algumas venderam e transferiram linhas pra empresas parceiras ou não e outras estão com suas contas exauridas, operando regularmente  veículos que foram fabricados no início ou no meio da década de 1990 (e não apenas nas altas temporadas, onde é comum empresas financeiramente sólidas usarem este expediente). Porém, muita coisa as duas tem em comum, desde o início de…

Como distinguir as cores do transporte de BH?

Olá amigos, boa noite!!! Na postagem de hoje vamos falar sobre as cores dos ônibus de BH e RMBH, o que cada uma delas significa. Boa leitura a todos!!!
A primeira padronização por cores de Belo Horizonte ocorreu no ano de 1982, juntamente com a organização do sistema, gerido pela Metrobel. Era o sistema Probus. Antes as empresas tinham pintura própria, porém a partir de então implantou-se um padrão válido para a cidade de Belo Horizonte e Região Metropolitana. Haviam apenas 2 cores, a cor azul representava linhas intituladas diametrais, que ligavam bairros e pólos regionais e industriais a outros bairros e pólos. A cor vermelha representava linhas expressas e semi-expressas, que ligavam bairros de BH e região ao Centro de BH. Depois veio a pintura do Uninorte, serviço que ligava Venda Nova ao Centro de BH. A pintura era branca com detalhes verdes.
No ano de 1992 a Metrobel acabou encerrando as atividades, ficando as linhas que circulavam no município de Belo Horizonte com a …

Explicando a resolução 4777 da ANTT

Olá amigos, boa noite! Hoje explicarei a resolução nº 4777 da ANTT, que tem divido opiniões e causado polêmicas. Ela tem 18 páginas, 71 artigos divididos em 7 seções, fora os parágrafos e incisos, portanto fiz um resumo explicativo da mesma. Antes de iniciar o texto, devo esclarecer que nenhuma parte deste conteúdo foi inventada. Quem quiser tirar a prova,clique aquipara baixar e ler a resolução integralmente.Boa leitura a todos!!!
Muito tem se comentado sobre a resolução 4777 da ANTT, que delibera sobre o Turismo Interestadual, modalidade turística (veículo contratado para deslocamento em circuito fechado), eventual (cujo contratante aluga o veículo para uma viagem) ou contínuo (para várias viagens). Ela tem gerado controvérsias e teorias conspiratórias em vários e vários pontos, causados por má interpretação do leitor, excesso da exploração do linguajar técnico por parte da ANTT e a desconexão da resolução (já que várias partes únicas estão espalhadas, sendo necessário ir e voltar v…